Júri do Concurso 2022


Considerações

1. Será constituído por 3 elementos e presidido pelo professor de instrumento da AMPB.

2. O júri, para atribuição do Prémio Excelência e Prémio Orquestra, será constituído pela Direção Pedagógica da AMPB (Professoras Alexandra Trindade e Salomé Fonseca), um representante da Direção Administrativa da AMPB e pelo Diretor Artístico ou representante do Festival Internacional de Música de Paços de Brandão (FIMUV).

3. O júri reserva-se ao direito de interromper a prestação de cada candidato, caso considere oportuno.

4. É reservado ao júri o direito da não atribuição de qualquer prémio.

5. As decisões do júri serão soberanas e inapeláveis.

6. Nos casos excecionais em que o concorrente seja aluno de um dos membros do júri, esse jurado será excluído da avaliação do mesmo candidato.

 


 

 

Aldo Salvetti [Oboé]

Aldo Salvetti vive no Porto desde 1996, data de início das suas funções de solista de oboé na orquestra desta cidade, acompanhando-a na sua evolução desde a formação “clássica” até à atual Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música. Paralelamente desenvolve atividade pedagógica, especialmente na Escola Profissional de Música de Espinho, onde desde 1997 é professor de oboé, assim como desde 2014 no Departamento de Música da Universidade do Minho, em Braga. Na sua cidade natal de Veneza, começou aos 20 anos o estudo profissional do oboé, sob o impulso de Giorgio Trentin, antigo solista da Orquestra do Teatro La Fenice.
Transferiu-se seguidamente para Milão, onde continuou os estudos com Giacomo Calderoni, solista de corne inglês no Teatro alla Scala e professor no Conservatório “Giuseppe Verdi”, tendo obtido o Diploma final com alta classificação. Aperfeiçoou-se em Basileia e em Zurique com os solistas internacionais Emmanuel Abbhül e Thomas Indermühle, e obteve em 1989 o Diploma de Concertista do Conservatório de Schaffhausen. A sua carreira profissional começou em Roma na temporada de 1987 da Orquestra Nacional da Academia de Santa Cecília, onde tocou sob a batuta de maestros como Leonard Bernstein, Carlo Maria Giulini, Giuseppe Sinopoli, Gunther Herbig e George Pretre, entre outros.
Em seguida desenvolveu colaborações estáveis como primeiro oboé na Symphonisches Orchester Zürich, na Orchestra Sinfonica Siciliana e na Vogtland Philharmonie. Interpretou os principais concertos para oboé e orquestra: Vivaldi, Bach, Mozart, Haydn, Richard Strauss, Vaughan Williams, etc. Em Portugal continuou a desenvolver uma intensa atividade em música de câmara, além de colaborar com agrupamentos de música contemporânea, como a OrchestrUtopica e o Remix Ensemble.

 


 

 

Jean Michel Garetti [Oboé]

Começou a sua carreira profissional com 17 anos de idade, como corne inglês solo da Orquestra da Opera de Saint-Etienne onde permaneceu até 1996. Em 1991, ingressou no Conservatoire National Supérieur de Musique de Paris, onde obteve em 1994 um primeiro prémio em oboé e em música de câmara. Desde 1996, ocupou o lugar de solista da Orquestra Metropolitana de Lisboa e professor na Academia Superior de Orquestra (1996/2003) e de corne inglês solo da Orquestra do Porto Casa da Música (2003/2015).
Desde 2007, é professor de oboé na Universidade de Aveiro.
Ao longo de trinta anos de carreira orquestral, teve oportunidade de trabalhar sob a direção de maestros de renome como Pierre Boulez, Pascal Rophé, Valery Petrenko, Andris Nelson, Tibor Varga e Gustavo Dudamel. Desde a sua chegada a Portugal, em 1996, realizou mais de 150 concertos de música de câmara e tocou várias vezes a solo.
A sua grande flexibilidade interpretativa levou-o a colaborar com artistas de estilos diferentes nomeadamente Saiki Yumi e Mochizuki Misato (música contemporânea), J. C Petit (Músicas de filmes de Cyrano de Bergerac, Jean de Florette, Manon des sources), António Victorino d’Almeida (música de câmara), Bernardo Sassetti (Unreal: Sidewalk Cartoon), o cantor Miguel Araújo (Crónicas da Cidade Grande e Cidade grande ao Vivo no Coliseu do Porto) e ainda, como ator-músico, no filme da realizadora Coline Serreau “la Belle Verte”. É também fundador e diretor da loja www.oboesales.com

 


 

 

Aires Pinheiro [Guitarra]

Aires Pinheiro iniciou os seus estudos musicais na Escola de Música Vasco da Gama de Fornelo.
Aos catorze anos dedicou-se à guitarra como autodidata, tendo aulas de solfejo e teoria musical com Carlos Costa.
Concluiu o Curso Complementar de guitarra na Academia de Música S. Pio X de Vila do Conde, sob orientação de Mário Adélio Amorim, como Bolseiro da Fundação Dr. Elias de Aguiar.
Obteve o 1.º Prémio da competição de guitarra – Legato 99.
Licenciou-se pela ESMAE sob a orientação de José Pina e obteve o grau de Mestre, pela Universidade de Aveiro, sob a orientação de Paulo Vaz de Carvalho.
Frequentou Masterclasses com Artur Caldeira, Paulo Vaz de Carvalho, José Pina, Ken Murray, Julius Kurauskas, Gunnar Spjüth, Benjamin Verdery, Franz Haslaz, Josef Zsapka, Betho Davezac, Margarita Escarpa, Alberto Ponce e Leo Brouwer.
Atualmente é professor no Conservatório Bomfim, em Braga e no Conservatório de Música de Vila do Conde, onde, paralelamente, exerce a função de Diretor Pedagógico.
É Formador certificado pelo Conselho Científico-Pedagógico de Formação Contínua, para as áreas de Educação Musical e Didática Específica da Música.
Frequenta o Doutoramento em Música na Universidade de Aveiro.

 


 

 

Dejan Ivanovich [Guitarra]

O guitarrista croata Dejan Ivanović nasceu em Tuzla (BiH) em 1976. Estudou com P. Stanković, V. Ivanović e D. Petrinjak. Foi orientado por C.Bochmann no Curso de Doutoramento da U. de Évora. Participou nos festivais de música de Spoleto (convidado pessoalmente pelo maestro G. C. Menotti), Edimburgo, Estoril, Gevelsberg, Porto e Zagreb. É o vencedor dos concursos Doña Infanta Cristina (ESP), Sinaia (RO), Segovia (ESP), Tárrega (ESP), Arhanes (GR) e premiado nos concursos em Itália, Portugal e Bélgica. Colabora com orquestras como ADDA (ESP), Orq. Real de Câmara de Wallonie (BEL), Orq. de Câmara da Eslováquia, Sinf. de Vojvodina (SRB), Fil. das Beiras, OCC e Metropolitana de Lisboa.
Em 2017, participa como solista na estreia nacional do Concierto Mudejar de A. Garcia Abril com a Camerata de Setúbal e sob direção de K. Hasan. Os seus recitais receberam uma forte aceitação por parte da imprensa. A revista espanhola Ritmo descreve-o como “[…] corajoso, sensível jovem artista com uma técnica supreendente e uma musicalidade e criatividade em cada nota e frase […]” (1998). A sua discografia a solo contempla a NAXOS CD Recital (2002) e Mediterraneo (2001). Em 2013, gravou a obra Em Memória da Madrugada de M. Pikoul com OCC, sob direção de D. W. Lloyd. C. Bochmann, M. Pikoul, T. Oliver, J. Madureira, J. Pereira, R. Abreu, F. Chaves e C. Gutkin dedicaram as suas obras para Dejan.
Integra desde 2004 o Duo de guitarras Kontaxakis-Ivanovich. O seu primeiro CD foi lançado em 2010 pela KSG EXAUDIO (GER). Em 2019, o Duo participou no concerto de abertura do Festival de Petrer (Espanha), dedicado ao 20.º aniversário da morte de J. Rodrigo. É o fundador e diretor artístico do Festival Internacional Guitarmania em Almada (2005-10). É desde 2007 professor de guitarra no Departamento de Música da Univ. de Évora. É doutorado em Música/Interpretação desde 2015.

 


 

 

Fausto Neves [Piano]

Professor auxiliar na Universidade de Aveiro, investigador associado ao INET-md.
Para João de Freitas Branco “é um intérprete muito sério, com uma interioridade fina, com sentido de estilo”. Discípulo dos mestres Helena Costa, Robert Weizs (Universidade Laval/Québec), Harry Datyner (Conservatoire de Musique de Genève), ouviu ainda conselhos de Sequeira Costa, Moura Castro, Josef Palenicek, Jörg Demus e Tânia Achot.
Solista há mais de cinco décadas nas grandes salas nacionais, na Europa e nas Américas do Norte e Sul, estreou-se com orquestra aos quatorze anos com Silva Pereira, seguindo-se Arpad Geresz, Gunther Arglebe, Marc Tardue, Philippo Zigante, Álvaro Salazar, Cesário Costa, Rui Pinheiro, Pearce de Azevedo, Pedro Neves, entre outros. Inúmeras parcerias camarísticas, destacando-se Pedro Burmester, Miquel Bernat, Oliveira Lopes, Gerardo Ribeiro, Paulo Gaio Lima, Álvaro T. Lopes, Gisela Neves, entre muitos outros.
É convidado frequente para masterclasses e júris de concursos. Em 2019 publicou “Fernando Lopes-Graça. Pensamento – Resistência – Criação” (Ed. Página a Página). Nas várias escolas em que lecionou, formou já muitos pianistas e professores de mérito. Fundou e dirigiu o Serviço Educativo da Casa da Música. Dirige o Coro “Amigos da Música” de Espinho.

 


 

 

Sofia Lourenço [Piano]

Pianista, natural do Porto, recebeu as mais elogiosas críticas: Diapason d’Or 2016 e Pianiste 2016 com o CD Portuguese Piano Music: Daddi / Viana da Mota, Grand Piano (Editora Naxos). Gravou ainda 4 CDs a solo de Música Portuguesa (Numérica) e estreou o 9th Sketch (2012) do Duo pour une Pianiste para Disklavier de Jean-Claude Risset, que lhe é dedicado. Em dezembro de 2019 lançou a 2.ª edição de Porto Romântico: Mazurkas & Romanzas, com obras de piano solo de autoria de Artur Napoleão, Óscar da Silva, Pedro Blanco, entre outros.
Discípula de Helena Sá e Costa desde os 10 anos de idade, no Conservatório de Música do Porto com Maria da Glória Moreira e Fausto Neves, licenciatura em germanística na FLUP-UPorto, estudou com Sequeira Costa, Margulis, Larrocha, Sebok, Cebro, Sava, Simon, obtendo a KunstlerischeAbschlußprüfungKlavier na Universität der Künste Berlin, (Alemanha), como bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian.
Doutora em Música e Musicologia (UÉvora, 2005), integra atualmente a linha de Estudos Históricos e Culturais em Música-INET-MD (UNova Lisboa), tendo tido intensa atividade na linha de Estudos Musicais (coordenação 2009 a 2013) no CITAR (UCP), onde concluiu um pós-doutoramento como bolseira da Fundação para a Ciência e Tecnologia- FCT (2012-2016).
É professora de piano na ESMAE/Politécnico do Porto desde 1991.

 


 

 

Álvaro Cortez [Percussão]

Concluiu os seus estudos no Conservatório Calouste Gulbenkian de Braga com 20 valores ingressando na Universidade do Minho sob a tutela de Nuno Aroso, onde termina a sua licenciatura, também com nota máxima. A progressão académica e musical passaria pela Hanns Eisler Hochschule fur Musik em Berlim onde estudou percussão com o Prof. Li Biao, Conservatoire de Musique et Dance de Lyon, onde desenvolveu aptidões com Jean Jeoffroy e em Antuérpia, no Royal Conservatoire, onde foi aluno do virtuoso Ludwig Albert.
Trabalhou com intérpretes e pedagogos como: Paulo Costa, Rui Sul Gomes, Paulo Oliveira, Rui Silva, Filippo Lattanzi, Mark Braafhart (Royal Concertgebouw Orchestra), Daniela Ganeva, Jaume Espinosa, Manolo Martinez, Marta Klimasara, She-e Wu, John Beck e Emmanuel Séjourné. Foi premiado com o 2.º lugar no concurso “Anatólio Falé” – Lagos, em 2010; 1.º lugar no concurso “Jovens solistas” inserido na Capital Europeia da Juventude (Braga CEJ) em 2012; 3.º prémio no “Prémio Jovens Músicos” – percussão – nível superior, em 2013; 1.º prémio no Concurso Mosicale Europeu – “Cittá di Filadélfia” – Itália, em 2014; 2.º prémio no Internacional Marimba Competition (PAS Greece) – Grécia, em 2014; 3.º prémio no Jeju International Competition, na Coreia do Sul, em 2016, e com o 6.º prémio no Universal Marimba Competition que se realizou na Bélgica, em 2017. Foram-lhe ainda entregues o Special Young Talent Prize e o prémio para melhor interpretação de todo o concurso, atribuído pelo presidente do júri – Igor Lesnik. Desempenhou funções de percussionista na Antwerp Symphony Orchestra entre 2015 e 2018, assinou contrato a Smile Artistic Management em Barcelona. Foi recentemente convidado para ser artista residente da Antwerp Camerata durante as próximas duas temporadas. Destacam-se concertos no Bozar e Queen Elizabeth Hall na Bélgica, Vatroslav Lisinsky Concert Hall na Croácia, Palau de Música Catalana em Barcelona, entre outros.

 


 

 

Marianna Bednarska [Percussão]

Marianna Bednarska é uma jovem percussionista polaca. Tem uma atividade recorrente de concertos, não só como solista, mas também como intérprete de música de câmara, músico de orquestra e professora de percussão. É regularmente convidada para festivais internacionais de música e colabora com personalidades reconhecidas do mundo musical. Ela é laureada do Concurso Internacional de Genebra 2019, vencedora do “Prix Credit Suisse Jeunes Solistes 2019” e vencedora de 24 primeiros prémios em percussão internacional e competições de marimba, entre outros em Chicago (EUA 2016), Bamberg (Alemanha 2016), Paris (França 2009), Fermo (Itália 2008) ou Plovdiv (Bulgária 2007).
Foi também finalista do Concurso Polaco Eurovisão 2009. Apresentou-se na Europa, EUA e China e estreou-se como solista em concertos internacionais festivais de música, como o Lucerne Festival 2019 ou o Davos Festival 2021 e com orquestras como Orchestre de la Suisse Romande, Orquestra de Câmara Internacional de Washington, Orquestra Sinfónica de Aalborg ou Orquestra da Rádio Polaca em Varsóvia. Em 2014, foi a primeira percussionista da história a gravar todos os concertos de marimba de Anders Koppel no álbum de estreia‚ Marimba Concertos” (DACAPO 2014).
Foi galardoada com bolsas artísticas na Polónia, Suíça e Alemanha, e recebeu em 2013 o Prémio Amizade Polaco-Dinamarquês pela sua atividade artística excecional nsses países. Iniciou o seu percurso artístico na Escola de Música Karol Szymanowski em Varsóvia com o piano, que logo foi substituído por instrumentos clássicos de percussão. Após o Conservatório, concluiu o seu bacharelato na Universidade Estadual de Música e Artes Cênicas em Stuttgart e o mestrado juntamente com estudos de pós-graduação na Universidade de Música em Genebra. Marianna Bednarska é uma artista Yamaha e uma artista Kolberg Mallet.